10 Motivos para manter o seu e-Mail e AntiSpam local e não em nuvem

10 Motivos para manter o seu e-Mail e AntiSpam local e não em nuvem - Blog do TI | BluePex®

10 Motivos para manter o seu e-Mail e AntiSpam local e não em nuvem
É controverso qual a melhor opção dentre utilizar e-mail local ou em nuvem. Atualmente a tecnologia em nuvem tem ganho bastante popularidade e crescimento expressivo. Assim como toda nova tecnologia, existem poucas informações, em especial sobre possíveis problemas que uma empresa poderá enfrentar utilizando tal novidade.

Este artigo tem como objetivo esclarecer tais pontos no que se refere ao atual momento da tecnologia em Nuvem versus a tecnologia convencional que é centralizada dentro na própria empresa.

Veja a seguir 10 bons motivos para manter o seu E-mail e AntiSpam local e não em nuvem:

#1. Comunicação mais rápida.

Sabemos que no cotidiano das empresas a maior parte dos e-mails trocados são enviados de dentro da empresa para destinatários da própria empresa. Veja a comparação neste caso:

Local: O receptor receberá o e-mail em alguns segundos;

Nuvem: O receptor receberá o mesmo e-mail com um prazo médio de 500% mais lento, devido ao percurso que a mensagem é obrigada a fazer até chegar ao receptor. Dependendo da situação, o atraso no envio do e-mail torna-se uma eternidade.

#2. Velocidade assegurada em caso de vírus.

Infecção de vírus por e-mail são mais comuns do que parecem ser, se nem os usuários experientes escapam de se infectarem com vírus de e-mail imagine os usuários mais leigos. A maior parte destes vírus são criados com o objetivo de usar a conta de e-mail infectada para o disparo de Spams. Caso isso ocorra na rede, teríamos o seguinte cenário:

Local: A conta de e-mail será bloqueada localmente, sem que a mesma consuma link de internet;

Nuvem: A conta de e-mail consumirá link de internet até que o problema seja resolvido. Dependendo do e-mail e do computador esta saturação no link pode chegar até 50Mb de consumo em segundos parando toda a rede (sistemas, ERP, acesso a internet, nota fiscal eletrônica e etc.).

#3. Integração facilitada.

É importante destacar a necessidade de ter o e-mail integrado com os dispositivos e sistemas da empresa, em um plano corporativo temos o seguinte cenário:

Local: Fácil integração com as mais variadas formas e protocolos utilizados na empresa;

Nuvem: A integração ocorre com dificuldade ou não ocorre devido a possíveis incompatibilidades, além de possíveis problemas de segurança visto que a conexão e transmissão dos dados passarão pela internet, que é pública.

#4. Integração com apenas uma base.

Manter uma base unificada de usuários facilita o trabalho em massa do dia-a-dia se tornando tendência a integração dos sistemas, muitas empresas já trabalham desta forma, então vale a reflexão:

Local: Possui integração com base unificada de usuários (AD ou LDAP, por exemplo);

Nuvem: Esta integração não é possível com os fornecedores existentes atualmente.

#5. Maior controle no uso do e-Mail.

Em caso de possíveis problemas de SPAM com contas de e-mail se torna necessária á descoberta da fonte causadora. A velocidade em sua solução em muitos casos é crucial, veja as possibilidades:

Local: Permite a identificação do IP da máquina local que está difundindo spam ou enviando algum e-mail específico, mesmo que com usuário diferente;

Nuvem: A identificação não é possível.

#6. Maior segurança na verificação de domínio.

Algumas empresas só recebem e-mails de domínios com o SPF (Sender Policy Framework) configurado, este sistema realiza a verificação do servidor que disparou a mensagem por determinado domínio, para saber se o mesmo está autorizado. É necessário então estar ciente se o seu e-mail será compatível com tal verificação.

Local: Permite a configuração do recurso SPF;

Nuvem: Tal configuração não é possível.

#7. Recurso de segurança reverso.

Pensando em maior proteção contra invasão, muitas empresas seguem determinadas políticas de segurança e a configuração de reverso é uma delas, antes dos e-mails serem entregues ao destinatário o servidor de e-mail do receptor realiza a verificação reversa para saber se o e-mail é válido, ou seja, sé é originário do mesmo domínio requisitante. Neste caso o cenário fica assim:

Local: É possível configurar o reverso;

Nuvem: Não existe configuração para reverso.

#8. Punição por usuário e não por domínio.

As políticas que determinam padrões para o bom uso do tráfego e-mails existem! E punem através de black list conforme as seguintes possibilidades:

Local: Caso algum usuário faça algo contra os padrões, o seu e-mail será bloqueado localmente pelo AntiSpam;

Nuvem: Caso algum usuário faça algo contra os padrões, todas as empresas/domínios do mesmo serviço entrarão em black list.

#9. Auditoria de e-mail centralizada.

Auditoria de e-mails é uma política comum no mundo corporativo e um sistema centralizado facilita o dia-a-dia dos gestores.

Local: Audita e verifica a utilização dos e-mails, bem como as ameaças;

Nuvem: O controle do e-mail é feito de usuário por usuário, não possui gestão centralizada o que impossibilita que um gerente verifique os e-mails enviados pela sua equipe.

#10. Armazenamento para controle de desastres.

Nenhuma empresa pode se considerar livre de desastres, nestes casos uma proteção extra faz toda a diferença. Pensando em armazenamento de e-mail temos o seguinte cenário:

Local: Em caso de desastres os e-mails podem ser recuperados de forma rápida, já que os mesmos ficam armazenados no AntiSpam local, podendo-se ainda restaurá-los via backup, caso possua;

Nuvem: A recuperação dos e-mails pode demorar mais do que o esperado, já que depende do fornecedor.

___ Fale com a BluePex® | texto: Marketing BluePex®

2 Comentários

  • Ok, mas vale lembrar que tudo isso vai depender de "vários" fatores para ai sim dizermos que local é melhor do que nuvem.
    Vejamos:

    Local:
    1 – Equipe técnica capacitada para manusear e realizar reparos se for necessário
    2 – Infra estrutura que comporte o fluxo de e-mails da empresa como um Hardware adequado e link dedicado, garantir backups, e em alguns casos ter uma estrutura em "cluster" para que possa ter redundâncias e manter o serviço no ar em caso de alguma pane em hardware.
    3 – Software: Definir bem qual ferramenta a ser utilizada, seja licenciada como MS Exchange ou outros em linux por exemplo, mas claro tudo demanda profissional capacitado para que o serviço seja bem configurado e garanta a entrega e recebimento de e-mails.

    Na ponta do Lápis, em boa parte dos projetos uma solução em Nuvem tem muito mais vantagens. Claro, se escolhida a ferramenta certa.
    Hoje tenho experiência com Google Apps for Work e MS Echange, ambas funcionando em Nuvem no formato "saas" e são ferramentas bem "completas" permitindo configurar SPF conforme mencionado no item 7. Como todos os usuários usam a mesma ferramente a entrega dos e-mails se dá de forma imediata.
    A disponibilidade é garantida e em 4 anos com a solução houveram apenas 3 casos de instabilidades sendo que o mais longo foi de 30 minutos!
    É garantido que os e-mails sempre estarão lá (toda a parte de infra, backup etc…é realizada por eles).
    Não demanda link dedicado na empresa porém vale ressaltar que a empresa dependerá da internet para poder acessar os e-mails, por tanto, é melhor garantir redundâncias de links.
    A gestão é facilitada e intuitiva e o custo totalmente previsível e em alguns projetos com valores bem atrativos.

    Ponto negativo? Até o momento seria a "privacidade" que seria tratado em outro tópico.

    Resumindo, o assunto é polêmico e a comparação sobre qual solução a ser escolhida deve-se levar em conta qual solução o cliente deseja adotar e ai sim conseguir ponderar pontos positivos e negativos bem como financeiros do projeto.

    Abraços.

Comentários estão fechados.